FEMEM Brazil, esse movimento não me representa!

Após a mídia mostrar-se presente nas ações do movimento Femem da Ucrânia divulgando manifestações as quais as moças aparecem semi-nuas, o Brasil ganha suas adeptas. A princípio, o Femem surge como um movimento que faz muito barulho e tem pouco a dizer e que se apropria da mídia para chamar a atenção, fazendo um jogo a seu favor.

Antes de qualquer conclusão ou atribuir qualquer definição sobre o movimento, decidi usar o bom senso e pesquisar um pouco sobre a historiografia (se é que assim posso dizer) da fundadora e do próprio movimento no Brasil.

Não precisou ir muito longe para descobrir que muitas coincidências sondam Sara Giromini (20 anos) militante e fundadora do Femem no Brasil. Segundo Sara, a adesão ao movimento ocorreu após acompanhar pela internet as manifestações da ucranianas e se identificar com a causa. Logo, Sara Gironimi adota o nome Sara Winter para “proteger a família”. Porém, o nome escolhido é o de uma jovem britânica que foi militante nazista durante a segunda guerra mundial. Após tornar-se alvo de diversas acusações, Sara diz se tratar de uma triste coincidência.

Seria coincidência também a jovem possuir um blog pessoal  (o qual ela tratou de bloquear a conta depois da divulgação) onde em seu perfil se define como direita nacionalista?  http://lecultrats.blogspot.com.br/p/quem-sou-eu.html As coincidências não param por aí, Sara também já manifestou sua admiração por Plínio Salgado e tatuou a cruz de ferro no peito, conhecendo todos os seus significados, inclusive a associação ocidental ao partido nazista alemão. Em outra oportunidade já havia considerado o “o gene das ucranianas privilegiado” demonstrando simpatia pelo discurso de segregação racial adotado por Hitler. Talvez outra “triste coindidência” foi sua manifestação na internet indicando os discursos do Hittler e convidando os seus seguidores a “mudarem o mundo” com ela.

Em 2011 Sara, já assumindo o nome Sara Winter publicou um comentário  criticando a nudez exposição da Marcha das Vadia: ““Eu fico me perguntando aqui, por que diabos essas meninas não fizeram uma marcha normal, quero dizer, COM ROUPAS NORMAIS, reinvindicando o direito das mulheres […] Mas é claro que é muito mais divertido tornar a coisa polêmica, usar a faceta da liberdade de expressão para andar seminua nas ruas e se enxer de um ‘orgulho puta’ (como diz um cartaz aí), daria pra fazer a mesma marcha com outro nome, com roupas e sem orgulho puta, mas aposto que não dariam tantas pessoas quanto na original”.

 Diante do bombardeio de acusações e perguntas sobre estas coincidências, a jovem Sara sentiu-se no banco dos réus e respondeu defensivamente que “tinha mudado de opinião”, mesmo ela sendo uma jovem, como podemos notar, com mais acesso a materiais de pesquisas para formar opiniões que a maior parte dos jovens brasileiros. Sua vida está repleta de coincidências, como o fato de possuir  esse histórico e aderir a um movimento ucraniano, tendo o Brasil dezenas de movimentos feministas representando e articulando com as minorias e lutando incansavelmente pela causa feminista. Seria coincidência ela optar pela sua adesão ao movimento dos “genes privilegiados”?

Alheios a causa feminista no Brasil, muitos acham que as críticas estão sendo maldosas com a moça, por sabermos o perfil da mídia do nosso país que é expert no sensacionalismo e adora colocar em descrédito qualquer movimento. Porém o Femem Brasil não se trata de um movimento social, e coloco em pauta a legitimidade de qualquer  movimento fala em nome das minorias, mas que se estrutura de forma hierárquica e que não está aberto para adesões espontâneas, aplicando processo seletivo para novos membros e ritos de passagem.

O Femem Brasil recebe mais de cem e-mails por dia de candidatas que devem passar pelas seguintes etapas classificatórias:

1- Inicialmente a candidata deve postar em alguma rede social uma foto com os seios de fora.

2- Entrevista pessoal.

3- Teste na rua: expor o seio sozinha numa rua da cidade, demonstrando comprometimento com a causa.

Todos podem mudar de opinão, e tem esse direito. Aliás, isso é uma característica humana, entretanto todo movimento que fala em nome de minorias deve estar preparado para o debate de idéias, e Sara demonstra-se imatura frente a luta feminista no Brasil, e também não merece confiança sem provar a que realmente veio diante de um passado recente muito obscuro.

A Lola em seu blog comenta sobre o perfil no orkut de Sra que ainda está disponível “as comunidades que ela segue vão do “Odeio o PT” à “Resistência Anti-Comunista”, passando por inúmeras comus integralistas e nacionalistas. Tem também amor pela ROTA e pelo uso de força policial (sério, ativista ser fã da polícia que vai prendê-la é uma contradição em termos), fascínio por armas, e uma “Sou fã de Jair Bolsonaro”.

Acredito que Sara não seja apenas uma jovem imatura que mudou de opinião e esteja bem intencionada. Acredito que o Femem em sí não seja um grupo de mulheres bem intencionadas com a causa feminista. Vejo perigo nessa nova onda de manifestações e chamo a atenção de outras feministas para esta questão.

Não sejamos inocentes de rotular o Femem como um grupo que gera muito barulho e tem pouco a dizer. Será que é coincidência o Femem ter escolhido uma moça com tal histórico e com uma cruz de ferro no peito?

O Femem adere o arco de flores na cabeça, e muitos dizem que está associado a pureza ariana. O assunto é sério, e acredito que tratar tantos como “tristes coincidências” é de tamanha irresponsabilidade. O Femem vem ganhando espaço na mídia e no mundo, e recrutando cada vez mais jovens que passam pelo tal processo seletivo e associando as suas manifestações a causa feminista.

E o que é o Femem?

Deveríamos saber mais sobre esse movimento, e ele deveria ser mais claro em seus posicionamentos.

Como lembrou Lola em seu blog, o Femen Ucrânia realizou protestos contra a participação de mulheres de países islâmicos nas Olimpíadas de Londres 2012, apelando a imagens como esta que coloquei acima. O Femen Canadá já deu várias declarações xenofóbicas, posicionando-se contra imigrantes.

O Femem  recruta no Brasil (com S e não com Z) uma jovem adepta a discursos nazifacistas, com uma cruz de ferro no peito, tudo isso por mera coincidência?

Tudo isso me leva a crer que não existem “tristes coincidências” e sim, tristes fatos associados a causa feminista que repudia esse tipo de discursos.

Parece clichê, mas é importante frisar que definitivamente o Femem  NÃO ME REPRESENTA, por não me convencer sobre a sua seriedade com a causa feminista, por ter uma líder com passado sombrio que demonstrou em diversas entrevista mal saber o que feminismo, por ser promover protestos xenofóbico e homofóbico, por ter protestado contra a livre circulação dos livros e por não ser um movimento igualitário desde a sua composição e estrutura.

Conhecendo um pouco da história e das lutas ideológicas, questiono quem estará por trás do femem e quais os seus reais objetivos recrutando moças com esse perfil pelo mundo a fora?

Anúncios

10 pensamentos sobre “FEMEM Brazil, esse movimento não me representa!

  1. Brittany H Martin 17 de setembro de 2012 às 13:38 Reply

    A very impressive article. Well prepared. Very motivating!! Go off on to facilitate way

  2. lista de emails 17 de setembro de 2012 às 14:09 Reply

    your post is really informative for me. i liked it very much. keep sharing such important posts. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

  3. Malditos .nzs motherfuckers 4 de outubro de 2012 às 13:19 Reply

    Deveria se implantar uma ditadura mais severa do que a de 64 que se alguma mulher fosse pega com os seios de fora fossem presas! Al meu ponto de vista este movimento chamado femen e um grupo de putas que querem apareçer e nao pensam nas consequesias de sairem semi nuas . Imafine mulheres com os peitos de fora sairem em um local publico ai esta passando crianças com suas maes as criança perguntam _mae o que aquelas mulheres estao fazendo?. E a mae responde – filho eu nao sei mais quando cresçer nao deixe suas mulheres fazerem aquilo posi isso e putaria . PUTARIA sim e o que e mostrar os seios em local publico se estive com vontade de anda com os seios de fora ande em suas casas bando de malucas. A e podem me chamar de machista sou mesmo

  4. saindodasprateleiras 12 de outubro de 2012 às 17:44 Reply

    Aos leitores do blog, o comentário acima é apenas mais um exemplo de que no século XXI ainda existem pessoas que não fazem valer a sua condição de animal racional, e se limitam a usar o cérebro para prestar um desserviço à sociedade.

  5. Cristine Rocha 16 de novembro de 2012 às 16:49 Reply

    Excelente e esclarecedor artigo!! Parabéns Karina!!

  6. Krysttal 9 de janeiro de 2013 às 11:18 Reply

    O lugar mais públicoo é a TV, que mostra muita mais que apenas SEIOS !
    Essas pessoas que ficam vidradas nela, ñ reconhece esse tipo de atitude. Que busca a autodefesa ! Hipócrita ! Crianças veêm coisas piores, e quando perguntarem pq elas estão nuas, diga: Bem vindo ao mundo de Lixo de HOJE, lamento por ter ti colocadoo nesse mundo !
    Independente da onde vieram essas pessoas, infelizmente estão estão certas ! Hoj tudo funciona assim !

    • saindodasprateleiras 9 de janeiro de 2013 às 23:32 Reply

      Não entendi bem qual sua posição, mas seu comentário está registrado.

  7. Michelle 12 de março de 2013 às 16:48 Reply

    Gostei muito do artigo e concordo plenamente. Acho que pode haver uma causa mais “obscura” por trás da criação desse movimento, mas as adeptas são, assim como a tal de Sara, meninas mimadas que não conseguem viver de acordo com a moral e as regras da sociedade e querem além de chamar atenção, viver numa libertinagem extrema. Li uma entrevista com a Sara na qual ela dizia que não era a favor de relações monogâmicas, pois era uma forma de aprisionar as pessoas, e que não tinha um relacionamento pois os homens tinham medo dela. Pergunto qual homem em sã consciência, sem interesse de aparecer para a mídia também, ia querer uma namorada assim (eu não namoraria um homem que me dissesse isso)? Para mim, isso tudo se resume em uma palavra: MODINHA. Hj estar em evidência é muito mais importante do que ter realmente um objetivo. Elas apenas querem oprimir, sim são opressoras mascaradas, se vc disser que tem um marido, não anda semi-nua, e tem filhos, você é uma mulher machista oprimida pela sociedade. E se vc alisar o cabelo e fizer academia então.. Você é uma machista alienada pela mídia, opressora das gordinhas e racista. Liberdade é eu poder fazer e pensar o que eu quiser sem nenhum idiota vir apontar o dedo e me rotular, homem, ou mulher.

    • saindodasprateleiras 12 de março de 2013 às 22:43 Reply

      Olá Michelle, que bom que curtiu o artigo.
      Faço apenas algumas ressalvas sobre suas colocações.
      Particularmente não gosto de generalizações, e quando afirmamos que todas as feministas são opressoras, pois repudiam o comportamento de outras mulheres, deixando de levar em consideração as escolhas pessoais, entendo teu ponto de vista, porém não necessariamente todas as feministas pensam e agem dessa forma. Na verdade, não sei se uma feminista de verdade agiria dessa forma. Outra coisa que me chama a atenção é o teu zelo com questões morais, ficou explícito isso em diversas passagens do seu comentário. Nesse ponto, discordo com mais profundidade, pois não acredito que estes valores são realmente importantes, apenas estão intrinsecamente ligados a nossa cultura, que embora você possa discordar, infelizmente é machista.
      Minha crítica é ao FEMEM especialmente. Quanto a diversidade e a liberdade, estou com as feministas.
      Mas como você disse e muito bem dito: nada de apontar o dedo para a opinião do outro, que cada um seja livre para fazer suas escolhas, contanto que elas sejam racionais. Me parece que pensou muito sobre a questão para formar tua opinião, e me parece também que ela está repleta de vivências desagradáveis. Então, me cabe agradecer sua visita e respeitar seu ponto de vista. Caso deseje falar mais sobre, podemos trocar algumas idéias.

      Seja livre com suas escolhas e antes de tudo; seja feliz.

      Abraços

      Karina Rodrigues.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: