Tem arraial na cracolância? Tem sim senhor!

Nunca imaginei que reproduziria com tamanha satisfação um artigo extraído do Jornal Folha de São Paulo. Pois bem, a vida é uma eterna caixinha de surpresa, e foi com uma supresa agradável que li o artigo da Anna Virginia Balloussier.

Texto original em http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2013/07/1304357-arraia-na-cracolandia-vemprarua-gente.shtml

Arraiá na cracolândia (#vemprarua, gente)

Publicidade
ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
EDITORA-ASSISTENTE DA sãopaulo

Já passei pela cracolândia várias vezes, mas nunca tinha ido a ela. Até sábado (29). Sábado teve festa junina lá.

E não estou falando de cercadinho VIP com vista privilegiada para a desgraça alheia, “comme il faut” para essa moçada especialista em misturar expressões francesas, análises sagazes e imagens mentais esquisitas que dariam bons nomes de esmalte (Savana Glacial; Doritos Esfuziante; Galvão Bueno de Cócoras Narrando “É Pau, É Pedra, É o Fim do Caminho”).

Era uma festa no meio da alameda Dina Bueno (região central), onde me disseram que fica a “cracolândia mais pesada” (a “light” seria mais próxima à Sala São Paulo, também na Luz). Divulgada na internet, a comemoração queria atrair gente de fora. Mas os “locais” constituíam o principal público-alvo.

E, de fato, lá estavam uns cem “noias” para 20 hipsters (e dois sujeitos que eu ainda não descobri se eram uma coisa ou outra). Estava também a cartunista Laerte, linda de jaqueta jeans, bota de cano alto e saia curtinha preta –ao que me consta, na volta, dispensou carona e saiu andando pela região, atrás de transporte público.

Também compareceram ativistas que atuam na região, como a defensora pública Daniela de Albuquerque (que fazia aniversário e ganhou bolo com “parabéns, Daniela!” escrito em glacê rosa) e Tina Galvão, mentora do projeto Aquele Abraço (uma senhora de 70 anos que literalmente sai pelas ruas do centro abraçando sua causa, os craqueiros).

E ainda: donos de bares da área e moradores dos prédios de dois andares que margeiam a alameda. Um dos organizadores, o arquiteto Felipe Villela, me contou que foram eles que ajudaram a bancar a festa, com uma vaquinha. Rendeu cachorro-quente, suco e pé-de-moleque liberados.

Duas emissoras de TV ficaram de ir. Uma furou. A outra chegou lá, perguntou se havia equipe de segurança, desacreditou que não seria necessário e zarpou fora rapidinho.

Uma pena. Se tivessem ficado para a festa, saberiam que teve: quadrilha com todo mundo junto e misturado; quem risse de mim quando perguntei se alguém tinha isqueiro para acender meu cigarro; depoimentos como o de um senhor dizendo que a polícia faz os usuários de crack deitarem em cima de cocô e xixi deixado ao ar livre; Laerte de cabeça torta, tentando discernir o que estava escrito de canetinha no paletó amarronzado de um morador de rua que cantava samba (só consegui ler: POETA).

A certa hora, tentei ver se o 3G funcionava (sim, funcionava, e a rede wifi liberada se chamava “ZUMBILÂNDIA”). Parece tolo agora: só depois de meia hora me senti confortável para usar meu iPhone no meio da galera.

Mais tolo ainda, no entanto, é fingir que o medo não está aí (e você, nem aí para ele). A gente tem medo, sim. De tanta coisa… E isso geralmente provoca reações nervosas e imediatas, das quais você tem vergonha depois, mas não consegue evitar. Como o engajado cientista social que, voltando para casa sozinho na madrugada, troca do lado da calçada ao ver um “tipo estranho” se aproximando.

Ainda não inventaram antídoto para os “fobiafóbicos” de São Paulo.

Arrisco a dizer, contudo, que o slogan tão ouvido nas manifestações também se aplica aqui: #vemprarua, gente. Esse medo de ter medo de ter medo não tá com nada. Ou vai acabar como uma daquelas pessoas escondidas atrás de uma tela de computador, citando Legião Urbana enquanto encara esfuziantes Doritos de refeição?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: